PUBLICIDADE

Topo

Fome, desafio em comer fora e mil usos do tofu marcaram minha semana só com comida vegana

Conteúdo exclusivo para assinantes

Luciana Mastrorosa

16/05/2017 10h14

Você é vegetariano? Já passou um longo período só consumindo alimentos de origem vegetal? Para quem é onívoro, como eu – ou seja, come todo tipo de comida, que é o caso da maioria das pessoas – é difícil pensar em tirar a carne da dieta, mesmo com todas as discussões a respeito da sua qualidade, do impacto ecológico de sua produção e também das questões que envolvem o bem-estar animal. Mas o número de adeptos do vegetarianismo no Brasil é grande: 8% da população brasileira segue esse tipo de alimentação, segundo dados do Target Group Index, do IBOPE, de 2012. E, nos últimos anos, têm aumentado as opções de produtos para dietas ainda mais específicas, como a vegana, da qual está fora do cardápio tudo aquilo que tenha origem animal, ou seja, ovos, queijos, leite e até mel. Desde que caiu na minha mão o livro da apresentadora Alana Rox, "Diário de Uma Vegana" (Editora Globo Estilo, 2016), fiquei tentada a, como a autora sugere, testar uma semana seguindo esse tipo de alimentação E, assim, nasceu este desafio que divido agora com vocês. Já adianto: valeu a pena. Mas nem sempre foi fácil.

O que comer no café da manhã?
Costumo consumir muitas frutas, verduras e legumes no dia a dia – porque gosto e porque fazem bem à saúde. Então, imaginei que seguir uma semana inteirinha sem carnes, ovos e derivados do leite não fosse difícil. Mas é claro que logo tive minhas dificuldades… O primeiro desafio foi o café da manhã: o que passar no pão? Nem manteiga, nem queijo, nem requeijão. Do meu cotidiano, só sobrou a geleia (ufa). Mas, para minha alegria, descobri outras opções incríveis para começar bem o dia, como manteiga de amendoim (pura, sem açúcar, uma delícia!), tahine (pasta de gergelim), melaço de cana e até avocado ou abacate, bem madurinhos, transformados em purê e temperados com gotas de limão, sal, pimenta e azeite. Para beber, café (sempre) e também os leites vegetais. Acredite: leites de amêndoas, castanha de caju e até coco, fresquinhos, são muito bons e fáceis: veja aqui um monte de receitas gostosas para fazer em casa.

 

Foto Arquivo Pessoal

Almoço farto no Goa Vegetariano: lasanha de berinjela, lentilhas, arroz com verduras.

Aposte nos vegetais, mas não esqueça das proteínas!

O primeiro dia da minha semana vegana foi bico. Achei tudo lindo, me senti leve, a digestão foi bem rápida, almocei em restaurante vegetariano/vegano, sucesso puro. No dia seguinte, começaram as dificuldades. Sentia muita, muita fome, porque cometi um erro básico: não ajustei o tamanho das porções à minha nova dieta. Assim, continuei comendo a mesma quantidade de vegetais, cereais e grãos que estou acostumada, sem me dar conta de que precisava, logicamente, ingerir mais proteína vegetal. Cheguei a sentir até fraqueza, porque meu almoço era leve demais e o lanchinho da tarde sumia da minha barriga num piscar de olhos. Mas fui me adaptando e passei a caprichar realmente nos grãos na hora do almoço. Também não hesitei em fazer dois pratos: um só com saladas e outro com a parte mais substanciosa, como arroz, feijão e alguma "mistura" vegetal. Também investi mais no lanche: comprei biscoitos veganos com castanhas, tabletes de chocolate amargo, nozes crocantes e torradinhas. A partir daí, a situação melhorou muito.

O desafio do almoço fora
Se uma pessoa que come de tudo, sem restrição, às vezes tem dificuldade para almoçar no quilo, ou em qualquer restaurante, imagina os veganos… Ainda temos muito o que evoluir no quesito informação alimentar. Nessa breve experiência notei que, em geral, não dá para saber se o feijão tem bacon, se o arroz foi refogado na manteiga ou se aquela inocente salada de grãos tem pedacinhos de queijo. Fiquei pensando a dificuldade que uma pessoa com alergia deve passar. Na dúvida, pergunte. Mas vale muito a pena procurar um restaurante vegetariano ou vegano, que costuma ter bufês a preço único, para comer à vontade. Testei vários e comi muito bem na maioria deles – tudo fresquinho, feito no dia, em porções generosas (confira mais abaixo quais foram os que mais gostei).

Os lapsos
Não sei se por ser minha primeira experiência vegana, mas às vezes, eu esquecia que estava seguindo essa dieta e aceitava de bom grado comidinhas variadas, sem pensar. Num dos dias, ganhei um chocolate ao leite e nem me lembrei da restrição: comi metade. Quando lembrei, deixei o restante para lá e segui em frente. Noutra vez, acompanhando minha filha a uma pizzaria, fui informada que, dentre os 64 sabores disponíveis, não havia UM sequer vegano. O mais próximo disso era uma fatia de escarola com… queijo e bacon! "Dá para tirar o queijo e o bacon?", pergunto. "Dá, mas a massa…". A massa levava leite. Ok, manda uma escarola sem bacon e vamos sublimar o queijo.

Seu amigo, o tofu
Aliás, sou louca por queijos, então eles fizeram falta, de verdade. A primeira coisa que a gente lembra quando quer um substituto é o tofu, um "queijo" de soja. Puro, é extremamente suave, quase sem gosto. Mas fica bem saboroso se misturado a temperos, molho de soja, tomatinhos, azeite, ervas frescas… Usei várias vezes, do tipo mais firme e do cremoso, para fazer desde um patê básico para o café da manhã até um mexidinho com tomates, cúrcuma e ervas, receita da Alana Rox (me senti a Bela Gil comendo tofu com cúrcuma mas, olha, estava muito bom). Para acompanhar, tapioca, pão francês e pão de fermentação natural foram minhas escolhas, todos sem leite ou ovos na formulação.

Receitas que ajudam
Em seu livro, Alana Rox dá umas dicas ótimas para quem está começando no veganismo, por isso usei muitas receitas dela nos meus jantares e cafés da manhã. A autora é vegetariana desde criança, e vegana, por opção, há alguns anos. Assim, tornou-se natural para ela preparar sua própria comida, dada a dificuldade em encontrar opções sem produtos de origem animal. Para começar, ela sugere uma lista de itens básicos para ter na despensa e indica preparar várias coisas com antecedência, como batata-doce e mandioca cozidas (que podem virar sopa, docinhos, farofa, purê, nhoque, etc.), grãos (feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha), leites vegetais. De fato, faz muita falta não ter algo pronto na geladeira, principalmente no jantar. O almoço dá até para resolver, mas o jantar pega. Foi nessa hora que senti mais fome – e mais falta de algo quentinho e reconfortante. Recomendo ter sempre sopas prontas e bem ricas no freezer, com um monte de grãos, cereais, legumes e verduras. E azeite e bom pão para acompanhar.

O saldo de uma semana
Se você é onívoro, ou seja, come de tudo, no início é difícil ajustar as quantidades do que vai no prato. Em geral, as carnes, queijos e ovos costumam levar mais tempo para digerir. Então, as refeições veganas me pareceram, principalmente nos primeiros dias, de digestão ultrarrápida, fazendo com que eu me sentisse mais leve, mas também com mais fome. Também tem outra coisa: comer de maneira vegana não significa ingerir só folhas e legumes. Pelo contrário! É necessário lançar mão de alimentos mais substanciosos, como grãos, cereais integrais, tofu, pastas de castanhas, nozes, ou seja, tudo o que tiver gordura boa e proteína, imprescindíveis para o bom funcionamento do organismo. Por isso, a dica é: se optar de vez pela dieta vegana, consulte um nutricionista, que poderá orientá-lo sobre o que colocar no prato. Mas esta semana valeu muito, principalmente porque me ajudou a provar sabores novos e preparos que não me arriscaria. É bom sair da zona de conforto.

Foto Arquivo Pessoal

Almoço à vontade no Alternativa Casa do Natural: prato reforçado com verduras, legumes assados e cozido com ervilhas

Restaurantes que salvam
Nessa aventura sem carne, conheci alguns restaurantes que foram sucesso. Abaixo divido meu pequeno roteiro para quem deseja provar refeições deliciosas, vegetarianas ou veganas. Um aviso: como moro e trabalho na Zona Oeste de São Paulo, acabei optando por lugares na minha vizinhança. Por isso, estas sugestões estão longe de ser um guia! Tenho certeza de que há outros lugares deliciosos pela cidade (e pelo Brasil). Conte aqui, vou adorar saber quais são! Por falar nisso, até dia 21 de maio ocorre a segunda edição da Vegan Week São Paulo, festival que reúne diversos restaurantes com pratos veganos, além de workshops e palestra. Está aí a oportunidade para trazer mais vegetais para a sua vida: www.veganweek.com.br.

E, abaixo, os restaurantes mais gostosos da minha semana vegana:

  • Alternativa Casa do Natural
    Este misto de loja de produtos naturais, restaurante e café é bem tradicional em Pinheiros. Oferece almoço e jantar com pratos vegetarianos e veganos em sistema de bufê – por um preço fixo, serve-se à vontade. Gostei muito da variedade de saladas e temperos, é algo que faz diferença se você não está acostumado com o sabor delicado dos vegetais. www.alternativacasadonatural.com.br
  • Apfel Jardins Vegetariano Orgânico
    Um dos restaurantes vegetarianos mais tradicionais da cidade, o Apfel completa 15 anos sob o comando da chef chilena Mylenne Signe. Para celebrar a ocasião, a casa promove jantares criados por Marina Kawata, com opções vegetarianas, claro, e também veganas. É preciso fazer reserva para provar as criações da chef, servidas em menu degustação nas noites de sexta-feira. Se tiver no cardápio, peça o kanten de beterraba, um creme feito com essa raiz acompanhado de azeite de manjericão, wasabi e brotos orgânicos, maravilhoso. www.pt-br.facebook.com/restauranteapfel
  • Barão Natural
    Essa rede com quatro unidades em São Paulo é imperdível para veganos ou quem simplesmente aprecia bons pratos com vegetais. Além de ter bufê à vontade e pratos quentes saborosos (tem até pizza!), tem preço bem acessível. É ideal para as refeições do dia a dia. www.baraonatural.com.br
  • Casa Jaya
    Com ambiente zen e inspirador, a Casa Jaya serve um almoço totalmente vegano e orgânico. A comida, cheia de sabor, é também farta e criativa – provei uma feijoada com lascas de coco e uma farofa supercrocante imperdíveis. Saladas fresquinhas, molhos gostosos e azeite de boa qualidade completam a refeição. Também comercializa produtos veganos variados, de chocolates artesanais a livros e óleos essenciais. www.casajaya.com.br
  • Goa Vegetariano
    Durante a semana, a casa oferece três opções de menu com pratos vegetarianos e veganos – da entrada à sobremesa. Pode ser menu degustação, menu completo ou comercial leve. Não é sistema de bufê, mas as porções são fartas e tem sobremesa. Também vende produtos, como chocolates e biscoitos, para levar para casa. www.goavegetariano.com.br

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.