Topo
Blog Menu do Dia

Blog Menu do Dia

Categorias

Histórico

Você usa brotos na sua comida? Aprenda a cultivar os seus em casa

Luciana Mastrorosa

20/01/2018 08h00

Brotos são deliciosos e fáceis de cultivar em casa (foto: iStock)

Há alguns anos, eu tinha um pequeno ritual de sábado de manhã: tomar meu café assistindo ao Jamie Oliver na televisão. Era um tempo antes da popularização das redes sociais, um tempo em que eu ainda estava fermentando a ideia de escrever sobre comida. Eu simplesmente adorava assistir ao chef inglês preparando comidas simples de jeitos que me pareciam geniais. Aprendi com ele a comer abobrinhas cruas em forma de salada e a colocar folhas escuras na sopa. E, num desses episódios, que se passava em sua casa de campo, ele ensinava a produzir brotos no inverno. Dizia que era uma forma de comer verdinhos frescos numa época naturalmente mais estéril, em que as plantas descansam. Aqui no Brasil, a gente é abençoado com verduras e legumes frescos o ano todo, mas não por isso precisamos deixar os brotos de lado.

Chefs de cozinha usam brotinhos variados para finalizar pratos e trazer um sabor diferente e um visual mais delicado. E o pessoal que segue uma alimentação natural costuma usar brotos e grãos germinados para bater junto com sucos, colocar na salada, preparar algumas comidinhas, enfim. É uma forma diferente de comer plantas e trazer mais nutrientes para o seu dia a dia. E também é uma possibilidade de cultivar algo, mesmo para quem mora em locais bem pequenos.

Germinando e brotando
Aprendi a germinar e produzir brotos com a autora Conceição Trucom, que já citei outras vezes por aqui (fiz uma entrevista quando ela lançou seu livro sobre leite, veja aqui). Conceição é adepta de uma alimentação focada em alimentos vegetais, principalmente crus. Em um de seus primeiros livros, "De Bem Com a Natureza" (editora Alaúde), ela tem um capítulo dedicado a germinação e brotos, bem completo. Vale a pena acompanhar.

Conceição ensina que, em ambiente doméstico, podemos germinar sementes variadas no ar ou na água, e cultivar os brotos de algumas dessas sementes no ar ou na terra. Escolhi o processo da terra para obter os brotinhos. Você vai precisar de uma peneira grande, um pote de vidro de boca larga, um pedaço de tule (aquele tecido bem fininho de bailarina), elástico, uma bandeja para cultivar os brotos e terra adubada ou húmus, de boa qualidade e procedência. Você pode ver várias fotos dos brotinhos que Conceição cultiva, em seu site Doce Limão, sobre alimentação natural.

O que posso brotar
Dá para obter brotos de várias plantas, como o girassol com casca e o trigo integral. Eu prefiro comprar sempre minhas sementes em lojas de produtos naturais, e não naquelas que vendem rações para animais, para não ter risco de contaminação. Além dessas, dá para produzir brotos de lentilha, ervilha inteira, arroz integral, cateto e agulhinha, todos na terra. Outros, como alfafa, amaranto e feijão moyashi, nem passam pela terra, acabam brotando direto no ar. A água é fundamental para hidratar os brotinhos e fazer com que cresçam saudáveis.

Passo a passo do broto perfeito
Antes de brotar, as sementes passam por um processo de "acordar", ou seja, são deixadas de molho por 8 horas, e depois precisam de mais um tempo para germinar no ar, também por cerca de 8 horas. Algumas levam mais tempo, outras menos. Para começar, lave bem as sementes em uma peneira ou escorredor, em água corrente e potável, e deixe-as de molho um dia para o outro num recipiente de vidro coberto com tule preso com elástico, para não entrar nenhum inseto. No dia seguinte, lave bem as sementes, ainda dentro do recipiente, por cinco vezes. Outra opção é colocá-las novamente em uma peneira ou escorredor e lavá-las bem em água corrente. É importante usar sempre água potável, ou seja, aquela que você beberia numa boa.

Germinação no ar
Depois disso, chegou a hora de deixar as sementes germinando no ar por, no mínimo, 8 horas. Logo após lavar as sementes, coloque-as de volta no pote de vidro, feche com o tule e o elástico e ponha-o numa posição inclinada (cerca de 45 graus), para que ele pegue ar, mas tenha o excesso de água escorrido. Deixe sempre num local com sombra. Se preferir deixar o vidro com as sementes na peneira ou no escorredor, coloque sob o utensílio um recipiente que vai captar o excesso de água.

Para o girassol com casca, o período pode se estender de 8 até 36 horas (no verão, leva menos tempo). Para o trigo em grãos, pode ir de 8 a 16 horas. As sementes devem ser mantidas úmidas durante todo o processo. Isso serve para que o germe (aquela pontinha que se desenvolve no grão) possa romper a casca e sair. Por isso, é importante lavar bem as sementes de de manhã e à noite, de duas a cinco vezes por dia, a depender da temperatura e da umidade do lugar onde você está germinando as sementes. Depois de cada lavagem, volte as sementes para o vidro, cubra com tule e deixe na mesma posição inclinada.

Hora de plantar
Quando as sementes começarem a colocar suas pontinhas para fora (como um "narizinho"), está na hora de plantá-las para obter os brotos. A partir daí, prepare a bandeja onde você irá plantá-las: espalhe uma camada de 3 centímetros de terra adubada ou húmus (escolha uma terra de boa qualidade e procedência, para evitar contaminações), espalhe as sementes germinadas sobre a terra e cubra-as com um pouco de terra peneirada. Borrife água sobre elas, sem encharcar, e deixe a bandeja na sombra por 8 horas. Depois disso, leve a bandeja para um local que pegue bastante luz, mas não seja um sol inclemente, para não desidratar os brotos. Regue-as com frequência com seu borrifador, sem encharcar, e deixe que cresçam. Os brotos estão prontos para consumir quando estiverem com 10 centímetros de altura.

Cuidados e precauções
Como em todo processo vivo, desconfie se algo sair muito fora do padrão. Por exemplo, se as sementes passarem do tempo certo da germinação, poderão ser atacadas por fungos e ficar com mau cheiro. Nesse caso, descarte e comece tudo de novo. Se surgirem pontos pretos, fungos ou bolor, descarte e repita o processo.

Use a melhor terra que puder encontrar, bem limpa, sem pedrinhas, galhos nem folhas, de excelente procedência. Escolha também água potável de ótima qualidade e sementes de bons fornecedores. Tudo isso influencia no processo e evita contaminações. A época do ano, a temperatura, a umidade e até a genética das sementes e grãos podem interferir também no resultado final. Por isso, muito cuidado em todas as fases é fundamental para garantir brotos bem vivos e saudáveis, cheios de nutrientes.

Este é apenas um método possível, há inúmeros outros para germinar e brotar sementes.

Nem preciso dizer: higienize muito bem os seus brotos antes de comer, como se fosse uma verdura do dia a dia. Pode bater junto nos sucos, fazer refogadinhos, comer na salada… Ficam deliciosos!

Você cozinha com brotos? Me conta quais são as suas receitas infalíveis e saudáveis, vou adorar saber! Estou também no Facebook e no Instagram, pode me achar por lá.

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.