PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Castanha portuguesa é a base do verdadeiro marrom glacê, veja os benefícios

Luciana Mastrorosa

05/12/2019 04h00

Crédito: Getty Images

O Natal está chegando e, com ele, chegam também as comidinhas típicas dessa época do ano, como as castanhas portuguesas. De formato arredondado e casca marrom escura, com uma espécie de ponta em uma das extremidades, esse tipo de castanha é conhecido em francês como "marron" – e é com ela que se faz o verdadeiro marron glacé (marrom glacê, em português), ou seja, castanhas glaceadas. Aqui no Brasil, é comum encontrar esse doce vendido em latas, porém feito com batata-doce no lugar das castanhas.

Alimento típico do inverno no Hemisfério Norte, a tradição de comer castanhas no Natal chegou até aqui por meio dos europeus. Nesta época do ano, é fácil encontrar esse alimento no mercado e nas feiras livres. Além de ser naturalmente adocicada, rica em carboidratos e pobre em gorduras, as castanhas portuguesas oferecem outros benefícios à saúde.

Dentre os minerais, tem cálcio e fósforo, fundamentais para a manutenção de ossos e dentes; ferro, que combate a anemia; magnésio, que atua no metabolismo, regulando a atividade enzimática, por exemplo; e potássio, importante para todos, mas especialmente para os hipertensos e aqueles que praticam atividades físicas ou trabalhos extenuantes.

Mesmo depois de cozida, a castanha portuguesa ainda preserva uma boa quantidade de vitamina C, antioxidante que ajuda a manter o sistema imunológico funcionando bem e evitando, ainda, o envelhecimento precoce e o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes e hipertensão. Oferece vitaminas do complexo B, que favorecem diversos processos metabólicos, e ácido fólico, um nutriente importante para as mulheres que desejam engravidar, pois ajuda na formação do tubo neural do bebê. Também contribui com vitamina A, que preserva os olhos e a visão.

Castanhas: do salgado ao doce

A forma mais comum de consumir as castanhas é cozinhá-las em água fervente até ficarem macias. Costumo cortar as pontas, para facilitar o cozimento. Para ganhar tempo, vale usar a panela de pressão e contar cerca de 20 minutos após a panela começar a chiar. Há também a alternativa de comprar as castanhas pré-cozidas, o que facilita o preparo, já que suas cascas são previamente removidas. Também é possível assá-las na brasa ou no forno, inteiras, por cerca de 40 minutos. Mas eu, particularmente, prefiro o cozimento na água, que deixa a castanha mais macia, tanto para consumir assim, pura, ou para uso em receitas doces e salgadas.

O marron glacé tradicional pode ser feito com as castanhas cozidas e descascadas, passadas por uma calda de açúcar. Depois disso, é só deixar esfriar para formar uma casquinha crocante açucarada. Se preferir o doce em pasta, basta cozinhar as castanhas com uma calda de açúcar rala (vale temperar com baunilha em fava ou extrato, ou mesmo canela em pó) até começarem a desmanchar. Depois, bata tudo no processador e volte ao fogo até formar uma pasta. Coloque numa travessa e sirva às colheradas.

As castanhas também podem ser usadas no preparo de pudins, sorvetes, mousses e outros preparos cremosos. No caso das receitas salgadas, ficam deliciosas em molhos agridoces para acompanhar carnes. Com as castanhas cozidas transformadas em purê, você pode também preparar nhoques e servir com molhos variados (use esse ingrediente no lugar das batatas).

Além disso, o tradicional peru de Natal ganha um toque ainda mais festivo (e delicioso) com um recheio de castanhas portuguesas previamente cozidas. Também dá para acrescentar as castanhas, em pedaços ou inteiras (sempre cozidas ou assadas) na farofa, no arroz e até nas saladas típicas dessa época, como o salpicão de legumes. Na ceia natalina, vale ainda cozinhar as castanhas e servi-las numa travessa, para cada um pegar a sua, descascar na hora e deixar o papo correr solto na mesa. É um petisco saudável, muito saboroso e pobre em gordura – o contraste ideal para as comidas de festa, geralmente à base de carnes untuosas e servidas com molhos mais intensos.

Na hora da compra, observe se as cascas estão íntegras, sem furos e livres de mofo. Mantenha as castanhas na geladeira até a hora de cozinhar ou assar, pois elas podem estragar rapidamente nos dias mais quentes.

Você gosta de castanha portuguesa? Eu adoro! Como costuma prepará-la? Conte para mim! Estou no Instagram, me adicione por lá.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.

Blog Menu do Dia