PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Mais doce e menos picante, cebola roxa é fonte de antocianinas

Luciana Mastrorosa

20/02/2020 04h00

Crédito: iStock

Cebola é aquele tempero básico que não falta nunca na cozinha. Em geral, a cebola branca ou amarela é a mais comum e mais usada no dia a dia, pelo sabor e também por ser mais barata e mais fácil de encontrar em vários tamanhos e formatos.

Porém, a cebola roxa, além da linda coloração, é naturalmente mais adocicada e menos picante que as outras variedades, por isso fica particularmente boa servida crua (até quem não gosta de cebola costuma não se importar com fatias fininhas da cebola roxa finalizando os pratos).

Pouco calórica, rica em fibras e repleta de vitaminas e minerais, a cebola roxa conta ainda com um diferencial: as antocianinas, que são os pigmentos responsáveis pela cor intensa dessa hortaliça.

As antocianinas são compostos fenólicos solúveis em água e muito instáveis em temperaturas elevadas -é por isso que a cor da cebola roxa fica esmaecida e sem graça depois de um refogado, por exemplo, mas se mantém viva e intensa com o ingrediente cru.

Esses compostos têm importante ação antioxidante, por isso são considerados aliados na prevenção ou até no retardamento de doenças crônicas, como as cardiovasculares, o câncer e doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer.

Além disso, a cebola roxa, assim como o alho, é rica em compostos sulfurosos que agem como anti-inflamatórios, anti-bacterianos e anti-virais, ajudando a reforçar a imunidade.

Outra ação importante da cebola é sobre a glicemia, esse alimento ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue e a melhorar a circulação, evitando até tromboses e crises respiratórias, como asma.

Cebola roxa na cozinha

Como disse mais acima, as antocianinas presentes na cebola roxa são sensíveis ao calor, por isso perdem a intensidade da cor após longo cozimento. Por isso, e também pelo seu sabor naturalmente adocicado, a cebola roxa é bastante usada em receitas onde pode entrar crua.

Na guacamole, por exemplo, uma cebola roxa pequena, bem picadinha, traz crocância, uma certa doçura e um picante bem leve. Essa receita é incrível porque combina as gorduras boas do abacate (ácidos graxos do tipo monoinsaturado, principalmente), mais o licopeno do tomate (poderoso antioxidante), a vitamina C em boa quantidade do suco de limão usado para temperar e a capsaicina da pimenta dedo-de-moça, que entra bem picadinha para dar aquele apimentado agradável. Soma-se a isso o coentro, rico em antioxidantes e com efeito depurativo no organismo. Eu adoro! Sempre que tem abacate maduro na feira, compro para fazer guacamole.

Se cortada em fatias bem fininhas, a cebola roxa fica ótima na cobertura de pizzas, principalmente aquelas que levam embutidos, como a calabresa. Em fatias finas ou em cubinhos, é o ingrediente básico do ceviche, que combina ainda a proteína e a leveza dos peixes de carne delicada, como o saint-peter, mais pimenta dedo-de-moça, ervas frescas, sal, pimenta-do-reino moída na hora e ingredientes para complementar, como grãos de milho e batata-doce cozida ou frita, que agregam carboidratos.

Gosto também de usar a cebola roxa fatiada para compor recheio de hambúrguer, agregando crocância e doçura, e, claro, para finalizar saladas bem coloridas, com muito tomate, folhas verdes claras e escuras, gomos de laranja sem sementes e sem peles, vagens, batatinhas e o que mais gostar.

A cebola roxa fica perfeita ainda no steak tartare, em cubinhos mínimos, e também nos molhos do tipo vinagrete, ideais para churrasco. Como é mais delicada no paladar, não deixa aquele gosto eterno de cebola depois da primeira garfada. Vale provar.

Você gosta de cebola roxa? Conte para mim a sua forma favorita de usá-la! Estou no Instagram, me adicione por lá.

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.

Blog Menu do Dia