PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Sugestões de pratos da cozinha alemã para você fazer em casa

Luciana Mastrorosa

30/05/2020 04h00

Crédito: iStock

Seguindo a nossa série semanal de comidas típicas, para aplacar as saudades dos restaurantes durante a quarentena, falamos hoje da cozinha alemã. É farta em embutidos e carnes defumadas, especialmente as salsichas (wurst) e linguiças. Ao lado desses pratos bem carnívoros, não podem faltar os acompanhamentos à base de batatas. E, claro, a cerveja!

Muitos acreditam que a cozinha alemã é meio pesadona, cheia de frituras, carnes gordas e molhos cremosos demais. Mas existem vários pratos fáceis de fazer e que são muito saborosos e nutritivos sem a necessidade de exagerar na gordura. A famosa kartoffelsalat – salada de batatas – é um exemplo, assim como o spätzle, uma massa em formato que lembra um "nhoque" e que é preparado à base de farinha de trigo.

Abaixo, deixo algumas ideias para fazer um almoço ou jantar alemão em casa. Se você curte salsichas e linguiças, prefira aquelas feitas artesanalmente, defumadas com lenhas de árvores frutíferas e sem muitos aditivos ou conservantes. São mais saborosas e podem fazer parte tranquilamente de uma dieta equilibrada. Vamos às ideias:

Salada de batatas (kartoffelsalat)

Nossa salada de batatas, tão comum nas mesas natalinas e nos churrascos, costuma levar bastante maionese e diversos legumes. Na Alemanha, algumas versões também levam maionese, mas a kartoffelsalat pode ser servida apenas com batatas cozidas temperadas com um molho mais ácido, à base de vinagre, mostarda e caldo de carne. Existem diversas formas de temperar as batatas. O importante é que sejam bem cozidas, em pedaços pequenos ou médios e, no caso dessa versão mais ácida, temperar os tubérculos ainda quentes. Nessa versão, a salada de batatas pode ser servida morna ou fria, acompanhamento perfeito para peixe frito, salsichas e linguiças grelhadas ou milanesas fininhos de lombo suíno (schnitzel).

Também pode-se acrescentar à salada bacon frito, em cubinhos, e pepinos em conserva picadinhos. Gosto de temperar com alho e cebola fritos em um pouco de óleo e derramar esse tempero ainda quente, com um pouco de caldo de carne ou legumes, sobre as batatas mornas. Finalizo com vinagre, salsinha bem picada e pedacinhos de bacon, pepino em conserva picado e alcaparras. Essa salada é uma delícia para servir nos dias mais frios, pois fica ótima consumida ainda morna. As batatas são boas fontes de carboidrato e, se temperar com alho, cebola e salsinha, terá ainda os compostos bioativos e antioxidantes que favorecem o organismo, acrescentando ainda fibras (e um pouco de cálcio presente na salsinha, que ainda é uma erva diurética). Para ficar ainda mais saborosa, capriche na qualidade do vinagre (se for artesanal, ele acrescenta ainda probióticos à dieta, favorecendo os intestinos) e também do caldo (veja aqui receitas de caldos caseiros para fazer em casa e congelar).

Salsichas temperadas com curry (currywurst)

Wurst é um termo meio genérico que engloba diversos tipos de salsichas, preparados com carnes e temperos variados. Podem ser de vitela, carne bovina, suína, ou uma mistura delas. Neste prato típico, as salsichas são grelhadas, podem ser fatiadas ou servidas inteiras e, sobre elas, vem um molho bem temperado à base de curry, uma mistura de especiarias.

Esse é um prato que fica delicioso para servir junto com batatas fritas, cozidas ou mesmo com a salada de batatas que mencionei acima. Para uma versão bem simples do molho, doure 1 cebola pequena picada em 2 colheres de sopa de manteiga com uma pitada de sal. Acrescente um pouco de caldo de carne caseiro, 2 colheres de sopa de ketchup, 2 colheres de sopa de molho barbecue e 1 colher (chá) de curry em pó. Acrescente sal e pimenta-do-reino preta moída a gosto e finalize com gotas de molho inglês.

Se estiver muito grosso, afine o molho com um pouco mais de caldo quente ou água. O curry é rico em cúrcuma, uma especiaria que é conhecida por seu alto poder antioxidante e anti-inflamatório, o que traz um benefício a mais para esse prato, rico em proteínas e gorduras. Na hora de servir, coloque o molho sobre as salsichas e polvilhe uma pitadinha a mais de curry. Fica uma delícia! Pode servir com pão, caso não queira as batatas.

Chucrute (sauerkraut)

Equilíbrio é tudo em termos de alimentação. Para compensar a quantidade de carnes e preparos ricos em gorduras, os alemães costumam consumir bastante chucrute, ou sauerkraut, que nada mais é do que uma conserva (idealmente, caseira e lactofermentada, rica em probióticos) feita com repolho.

É um acompanhamento que vai bem com vários pratos, mas é especialmente bom para fazer par com os mais pesados, como as salsichas, linguiças e cortes suínos defumados ou assados. Além de trazer uma acidez agradável, que combina com esses alimentos, o chucrute traz ainda bastante fibra, que contribui com o sistema digestório, e agrega vitamina C, antioxidante, que previne o envelhecimento precoce e ajuda no fortalecimento do sistema imunológico.

O repolho é um vegetal também rico em substâncias sulfurosas, que protegem o sistema digestório, em particular os intestinos. É barato, fácil de achar e, nessa forma fermentada, dura bastante na geladeira e traz sabores particulares e muito interessantes para os pratos.

Neste post que fiz sobre conservas caseiras, ensino uma receita fácil para preparar repolho fermentado em casa. Leva só repolho, salmoura e tempo (e temperinhos, se quiser).

Nhoque de trigo (spätzle)

O spätzle é um prato muito delicado e saboroso. É uma espécie de nhoque feito de farinha de trigo e ovos. Os ovos são bem batidos e a farinha é adicionada aos poucos, até se obter uma massa mole. Para uma receita que serve seis pessoas, você pode usar quatro ovos, quatro xícaras de chá de farinha de trigo, uma xícara de chá de água e uma colher de chá de sal. O importante é misturar os ovos e a farinha primeiro e ir adicionando a água, temperada com o sal, aos pouquinhos, até adquirir a consistência desejada.

Enquanto estiver preparando a massa, coloque água para ferver numa panela com um pouco de sal. Quando a massa estiver bem uniforme, com uma textura parecida com a de massa de bolinho de chuva, vá despejando-a aos poucos sobre a água fervente, com uma colher pequena. Quando os fiozinhos de massa começarem a boiar na água fervente, estão prontos. Só escorrer e colocar numa tigela, onde receberão o molho desejado.

Existem acessórios especiais para fazer os spätzle, mas você pode prepará-los dessa maneira rudimentar, com a colher, ou usar até um ralador de queijo, na parte dos furos maiores, e ir despejando a massa sobre o ralador, em cima da água fervente. Uma vez cozidos, os spätzle podem receber qualquer tipo de molho. O mais básico é apenas misturar um pouco de manteiga e finalizar com pimenta-do-reino, sal a gosto (se precisar) e, se gostar, queijo ralado e ervas picadas, como salsinha. São ricos em carboidratos, ou seja, fornecem bastante energia, por isso esses nhoques alemães podem ser servidos no lugar do arroz, do macarrão e da batata, como acompanhamento.

Você gosta de comida alemã? Qual o seu prato favorito? Conte para mim! Estou no Instagram, me adicione por lá.

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.

Blog Menu do Dia