menu
Topo
Blog Menu do Dia

Blog Menu do Dia

Categorias

Histórico

Maracujá acalma e ajuda a controlar o colesterol e a glicemia

Luciana Mastrorosa

01/11/2018 04h00

Crédito: iStock

Estamos em plena safra do maracujá, essa fruta perfumada e saborosa, muito usada na cozinha, principalmente em doces. Nativo do Brasil e da família das passifloráceas, o alimento tem pelo menos 79 espécies catalogadas no país, sendo a mais comum delas o maracujá amarelo, bem aromático e de sabor ácido. Também se encontra o maracujá doce, que é bastante agradável de ser consumido puro, por ter uma doçura natural, e o maracujá roxo, mais consumido fresco ou em forma de sucos.

Além do sabor, o maracujá tem muitos benefícios para a saúde, da polpa à casca. Estudos investigam cada vez mais essa fruta por suas propriedades fitoterápicas, como a de ser um tranquilizante natural.

Em termos nutricionais, a polpa do maracujá fresca tem poucas calorias e é rica em minerais, como magnésio, potássio e fósforo, além de conter bastante vitamina C. Também apresenta polifenóis em quantidade, antioxidantes naturais que auxiliam a preservar o sistema cardiovascular como um todo, além de fibras, que facilitam a digestão e melhoram o funcionamento intestinal.

Crédito: iStock

Casca, chá e farinha

A casca do maracujá traz benefícios à parte: com ela, se elabora a farinha de maracujá, que vem demonstrando ter a capacidade de regular as taxas de colesterol, diminuindo o LDL (o "mau" colesterol) e aumentando o HDL (o "bom"). Por isso, a farinha muitas vezes pode ser incluída na dieta (com orientação de médico e nutricionista, sempre) como auxiliar no tratamento de diabetes e redução de peso. Outro benefício da farinha da casca de maracujá é que ela é rica em fibras solúveis, como a pectina. Esse elevado teor de pectina também contribui para controlar a glicemia no caso de diabetes tipo II e o colesterol, como mencionei acima. A casca do maracujá é fonte ainda de outras vitaminas e minerais, como niacina (vitamina B3), ferro, cálcio, e fósforo.

O extrato seco da casca do maracujá também traz todos esses benefícios, mas para consumi-lo, como sempre lembro, deve-se consultar um médico ou nutricionista antes, pois cada organismo tem suas resistências, tolerâncias e particularidades.

Crédito: iStock

Uso culinário

Como ingrediente fresco ou na forma de farinha, o maracujá tem mil e uma utilidades. A parte mais usada é polpa, principalmente na forma de suco, de sabor ligeiramente ácido e agradável, que pode ser oferecido até para crianças.

Também fica maravilhosa em mousses, sorvetes, gelatinas e sobremesas geladas. Combina particularmente bem com cremes em geral, por isso aquele velho quebra-galho de fim de semana é misturar creme de leite (de preferência, o fresco), leite condensado e suco de maracujá para fazer uma mousse rápida. Além dos benefícios do maracujá, essa sobremesa traz a gordura do leite e o cálcio, nem precisando de adição de açúcar, pois o leite condensado já é bem doce. Também dá para fazer sem leite condensado, com misturas que envolvem iogurte, gelatina, mel e outros ingredientes naturais. Outra combinação de sucesso é a caipirinha elaborada com a polpa fresca do maracujá, em substituição ao limão. Fica ainda melhor com um raminho de manjericão.

Muitos chefs usam e abusam dessa fruta em pratos salgados, pois sua acidez e ligeira doçura fazem um contraste agradável com peixes e aves mais gordurosos, como salmão, frango e pato, ajudando também na digestão dessas carnes. Pode-se preparar um molho simples com uma base de cebola na manteiga e a polpa do maracujá, com ervas, sal e pimenta, ou mesmo usar o suco natural da fruta em vinagrete e molhos para saladas, no lugar do limão.

As folhas podem ser usadas para o preparo de chás e infusões, com suaves propriedades calmantes, além de auxiliar a digestão.

E a casca, na forma de farinha, pode ser consumida em vitaminas e sucos ou mesmo como ingrediente no preparo de bolos, pães e tortas, pois tem um sabor neutro. Se preferir, pode simplesmente diminuir uma colher da farinha num pouco de água e tomar, ou misturá-la ao polvilho para fazer tapioca.

Para preparar a sua farinha caseira, reserve as cascas de maracujá (sem a polpa), lave-as bem e leve-as para assar em forno brando, o mais baixo possível. Mantenha-as no forno, mexendo de vez em quando, até ficarem bem secas e quebradiças. Então, deixe esfriar e bata as cascas assadas no processador ou liquidificador até obter a farinha. Guarde-a num recipiente bem fechado e seco e use normalmente.

Você gosta de maracujá? Já experimentou a farinha da casca dessa fruta? Conte para mim! Estou no Facebook e também no Instagram.

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.