PUBLICIDADE

Topo

Raiz de bardana ajuda a tratar problemas gástricos e fica ótima refogada

Luciana Mastrorosa

19/09/2020 04h00

Crédito: iStock

A raiz de bardana, comprida, de casca fina, marrom e lenhosa, e interior claro, é muito usada na cozinha oriental. É fácil de encontrar na feira e tem bom preço. E, se bem acondicionada na geladeira, dura vários dias.

De sabor neutro e textura firme na mordida, a bardana vem sendo usada há séculos na medicina popular por trazer diversos benefícios à saúde. Alguns desses benefícios já vêm sendo comprovados por estudos científicos.

Além de atuar positivamente no sistema digestório, aliviando dores de estômago e gastrite, a bardana também vem sendo associada a efeitos hipoglicemiantes –o que a torna aliada de quem tem diabetes tipo 2. É, ainda, um depurador natural do organismo, com efeito levemente diurético e detoxificante do fígado. Por ter efeito analgésico e anti-inflamatório, muitos utilizam esse ingrediente para tratar pequenos incômodos na pele, como alergia e picadas de inseto. Alguns usam o chá dessa raiz como tônico para fortalecer os cabelos.

As raízes da bardana contêm diversos nutrientes, como cálcio e fósforo, excelentes para os ossos; ferro, que previne e combate a anemia; potássio, que ajuda os que têm hipertensão e praticantes de atividades físicas e trabalhos extenuantes; vitamina A, fundamental para a pele e os olhos; além de vitaminas do complexo B, que favorecem diversas reações metabólicas; e vitamina C, um antioxidante natural, que ajuda a prevenir o envelhecimento precoce. Dentre os compostos bioativos, destacam-se os flavonóides, que atuam como antioxidantes, e também os fitoesteróis, que ajudam a regularizar os níveis de colesterol.

Como usar a bardana na cozinha

Por ser firme, a bardana fica melhor cozida ou refogada. Eu gosto de tirar a casca, especialmente se estiver muito grossa, mas já vi receitas tradicionais japonesas que levam essa raiz com casca e tudo, fatiadas finamente no corte julienne (tirinhas finas de tamanho igual, como palitos de fósforo).

O mais básico é cortar essa raiz em tiras finas e cozinhá-las por poucos minutos em um mínimo de água com uma pitada de sal. Depois, pode acrescentar cenouras cortadas da mesma forma, em tirinhas, um fio de óleo vegetal ou azeite, uma colher (sopa) de shoyu (molho de soja) e gotas de óleo de gergelim tostado, para dar um gostinho ainda mais oriental. Pode adicionar ainda cebola cortada em tiras finas, alho picadinho, ervas frescas, como cebolinha e coentro, etc. Se gostar, salpique com um pouco de gergelim tostado, branco ou preto, que contribui com mais cálcio, proteínas e gorduras de boa qualidade. Esse prato simples é um acompanhamento perfeito para o arroz e feijão de todo dia, e fica uma delícia frio, morno ou quente.

Além disso, a bardana também fica ótima em refogados de legumes com caldo. Pode acrescentar batata, cará, batata-doce, inhame, cenoura, vagens, ervilha-torta, etc. Se gostar, adicione um pouco de mirin (saquê licoroso, muito usado para fins culinários), ou ainda vinho branco ou gotas de suco de limão. Só cozinhar tudo junto, temperar com shoyu ou missô e servir, bem quente, com arroz branco.

A bardana refogada com alho, sal, óleo, azeite ou manteiga e gotinhas de limão formam um recheio perfeito para omeletes. Só refogar, deixar esfriar um pouco e misturar aos ovos, formando a omelete. Fica ainda mais gostosa com salsinha fresca, cebolinha ou folhas de coentro adicionadas na hora de servir. A bardana refogada fica ótima ainda com cúrcuma ou gengibre fresco ralado, que trazem os benefícios desses ingredientes e ainda contribuem com um sabor especial.

Com as raízes, também dá para preparar uma infusão digestiva e delicada ao paladar. Basta adicionar uma colher (sopa) da bardana picada para 250 ml de água fervente e deixar infusionar por 10 minutos. Eu gosto puro, sem adoçar, mas vai do gosto pessoal.

Você gosta de bardana? Costuma usar essa raiz na cozinha? Conte para mim! Estou no Instagram, me adicione por lá.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.