PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Pobre em calorias, romã está na época e é rica em antioxidantes

Luciana Mastrorosa

02/01/2020 04h00

Crédito: iStock

A romã é uma fruta muito lembrada nesta época do ano, principalmente por estar associada a diversos costumes, rituais e simpatias de Réveillon. Natural do Mediterrâneo e da Ásia Ocidental, essa fruta está relacionada à ideia de prosperidade (sorte e dinheiro) e de fertilidade, pois é composta por diversas sementinhas, envoltas por uma camada doce e suculenta. Dizem que as melhores e mais saborosas do mundo são cultivadas no Irã.

Em geral, essas sementes da romã são bem vermelhas, doces e ligeiramente ácidas, rendendo um suco delicioso e muito rico em compostos bioativos, que pode ser tomado puro, como refresco, ou ainda reduzido como xarope, de forma que se conserva por mais tempo e concentra seus benefícios. Também é possível produzir uma bebida fermentada de romã, como se fosse um vinho. Suas sementes podem apresentar variações de cor, doçura e acidez, com tons que vão do amarelo até o transparente. A partir de novembro, a romã já começa a entrar na safra, indo até fevereiro. Portanto, este é o momento perfeito para provar essa fruta e aproveitar seus benefícios.

No Brasil, não se costuma consumir muito a romã no dia a dia, mas é uma fruta muito utilizada na medicina popular, principalmente por suas propriedades anti-inflamatórias, antimicrobianas e antioxidantes. O interessante é que diversos estudos vêm comprovando, de fato, essas propriedades, abrindo caminhos para que a romã possa ser empregada como fitoterápico, auxiliando no combate e prevenção a diversos males.

Potente antioxidante e ação contra doenças crônicas

A romã é pobre em calorias (cerca de 56 calorias por 100 gramas), por isso é ótima para quem está fazendo dietas para redução de peso. Apesar de pouco calórica, é muito rica em nutrientes e compostos bioativos, como o ácido elágico, composto fenólico com ação antioxidante e anticarcinogênica, que ajuda a prevenir doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão e câncer. A romã é uma das maiores fontes de ácido elágico.

Além disso, a fruta oferece ainda fibras, que favorecem o sistema digestório como um todo, vitamina C (outro antioxidante potente, que reforça o sistema imunológico e combate o envelhecimento precoce), e minerais como cálcio e fósforo (que preservam ossos e dentes) e muito potássio (favorece muito os hipertensos, ajudando a regular a pressão arterial e a evitar câimbras, especialmente em atletas e pessoas que realizam trabalhos extenuantes).

As sementes in natura ou na forma de suco são a maneira de consumo mais usual dessa fruta. Porém, as folhas e cascas também vêm sendo investigadas por suas propriedades terapêuticas. A infusão elaborada com as folhas da romãzeira, por exemplo, têm mostrado função protetora de dentes e gengivas, e o extrato da casca da romã, em associação com determinados antifúngicos, como o fluconazol, vem produzindo uma combinação eficaz contra o fungo Candida albicans, responsável pela candidíase.

Outro ponto interessante que os estudos têm revelado é que a romã e seus derivados, como suco, extrato e óleo, podem ser úteis para prevenir fotoenvelhecimento e câncer de pele causados pela radiação UV-B. Ou seja, essa fruta teria ainda a propriedade de ajudar na proteção contra os danos causados pelo sol. Na medicina popular, o uso da romã, como um todo, é amplo e vai desde o tratamento de laringites até úlceras genitais. O gargarejo da decocção das cascas da romã, por exemplo, são indicados para quem apresenta sintomas de faringite e laringite.

Usos da romã na cozinha

Se você tiver acesso a romãs bem grandonas e cheias de sementes, use-as para preparar suco e aproveitá-lo em diversas receitas. Com o sumo bem vermelho da fruta, dá para fazer gelatinas naturais, refrescos, mousses e sorvetes com ou sem leite. As sementinhas inteiras podem ser aproveitadas também para molhos agridoces, que ficam ótimos para servir com carnes gordurosos ou de sabor mais intenso, como a de cordeiro e a de porco. A romã também fica uma delícia na finalização de saladas bem frescas, com as sementes distribuídas sobre os demais ingredientes, ou entrando na composição do molho (substituindo parte do suco de limão ou do vinagre).

Tanto as sementes quanto o suco obtido delas ficam ótimos em drinques com ou sem álcool. Você pode fazer uma espécie de xarope de romã reduzindo o suco com um pouco de açúcar, em fogo baixo, até obter uma calda. Depois de frio, use esse xarope para fazer os drinques, misturando-o com gelo, água com gás, rodelas de limão ou laranja, sementinhas de romã, ervas frescas (hortelã e alecrim ficam deliciosos), etc.

Agora que o verão está com força total, prepare ainda jarras de águas saborizadas com sementinhas de romã, muito gelo e ervas frescas. É uma forma bem mais refrescante e saborosa de tomar água o dia todo e manter-se hidratado (até as crianças adoram).

Você gosta de romã? Costuma usar essa fruta? Conte para mim! Estou no Instagram, me adicione por lá.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.

Blog Menu do Dia