menu
Topo
Blog Menu do Dia

Blog Menu do Dia

Categorias

Histórico

Banana é rica em fibras e potássio: aproveite a fruta em pratos salgados

Luciana Mastrorosa

21/07/2018 04h00

Crédito: iStock

Banana nanica, prata, maçã, da terra, figo… Muitas denominações, que mudam nas diversas regiões do país. Fato é que a banana é onipresente por aqui e a gente não precisa se limitar a consumi-la apenas crua ou em receitas doces.ca em carboidratos, essa fruta também oferece fibras e contribui com vitaminas e minerais para o bom funcionamento do organismo, principalmente potássio, mas também fósforo e magnésio. Por isso é importantíssima na alimentação infantil e ajuda também aqueles que praticam exercícios físicos. É uma fruta que auxilia ainda no tratamento de diarreias e desarranjos intestinais, pois acalma o trato digestivo e ajuda a restaurar os minerais perdidos durante a enfermidade.

Se você está acostumado a comer a banana apenas ao natural ou, no máximo, em alguma sobremesa, amplie seus hábitos. As bananas ficam deliciosas em receitas salgadas e vou contar abaixo como você pode tirar o máximo de proveito delas.

Banana e banana-da-terra

Para a sorte de quem vive no Brasil, temos uma infinidade de tipos de bananas à nossa disposição, com mencionei logo no início do post. Algumas são muito comuns no dia a dia aqui de São Paulo, como a nanica, a prata e a ouro, aquela minúscula e de polpa dourada, bem doce (tenho certeza de que na sua região tem outras variedades também, me conta). Apesar de sua incrível adaptação por aqui, a banana é originária do Sudeste Asiático. Como mostra Harold McGee no seu excelente livro "Comida & Cozinha – Ciência e Cultura da Culinária", da WMF Martins Fontes, por causa de todas as suas características nutricionais e de sabor, as bananas em geral estão no topo das frutas mais produzidas e comercializadas em todo o planeta. Ele faz uma distinção entre "bananas" e "bananas-da-terra", considerando as primeiras aquelas que são doces depois de maduras e que se come ao natural (como a nanica, por exemplo), enquanto as segundas são mais ricas em amido e ficam melhores depois de cozidas (como a que chamamos de banana-da-terra, aquela bem comprida, ou mesmo a banana-figo, de casca avermelhada e muito resistente, que fica ótima assada).

Muito além dos doces: farofa, moqueca, pirão…

Uma das grandes vantagens da banana é que ela fica excelente também em pratos salgados. É claro que tudo vai depender da textura e do resultado final que você quer obter. Por exemplo, eu não gosto de bananas muito maduras, nenhuma delas. Então, quando já está começando a ficar doce e mole demais, uso para preparar bolos e um pão rápido, daqueles em forma de bolo inglês, com especiarias e castanhas. Misturada à massa, a banana perde um pouco aquela doçura intensa e se mescla bem com outros sabores, principalmente as especiarias como canela, noz-moscada, cardamomo, cravo, nozes e castanha de caju.

Então, para preparar receitas salgadas com banana, a primeira coisa a levar em consideração é o tipo da fruta que você tem em mãos. Em geral, as bananas-da-terra e as que têm características parecidas, como a figo (também chamada de banana-pão ou banana-sapo), vão melhor em preparos salgados, pois evoluem em sabor após o cozimento. Com essas, você pode preparar farofa, ensopados, cozidos, moquecas, purês ou simplesmente fritá-las em um pouco de manteiga e temperá-las com sal e pimenta. Logo no comecinho do Menu do Dia, dei uma receita muito legal do (Master) chef Henrique Fogaça, justamente de moqueca de peixe com banana-da-terra, veja aqui como fazer.

Em ensopados e cozidos, você pode adicionar fatias grossas da banana-da-terra (ou outra com características similares) na panela junto com os outros ingredientes, se forem de cozimento rápido. Se não, deixe para adicionar mais ao final, pois elas têm cocção rápida. Mesmo que a textura seja menos firme, eu uso muito a banana-prata também em pratos salgados, principalmente quando elas estão mais verdes. Outra maneira interessante é cozinhar as bananas em água fervente ou mesmo assá-las, com casca e tudo, até ficarem macias. Depois, é só retirar a casca e amassá-las bem com um garfo para formar um purê, que você pode temperar do jeito que achar melhor. Só com sal e pimenta já fica ótimo, mas acrescente especiarias, ervas, um pouquinho de creme de leite, pimenta dedo-de-moça picadinha, etc., para personalizar o purê de acordo com o prato principal. Eu gosto de servir esse purê como acompanhamento para peixes. Ou ainda, usá-lo para preparar nhoques, acrescentando um mínimo de farinha, queijo parmesão, um pouco de manteiga… Só fazer bolinhas e servir com seu molho favorito (manteiga e sálvia, que coisa deliciosa, ou mesmo um bom pesto, bem fresco e verde).

Para preparar farofa eu uso, literalmente, qualquer banana. De verdade. O importante é você preparar uma boa base de gordura (geralmente, uso manteiga, ghee ou até banha de porco fresca), cebola, alho, pimenta e, se quiser, alguma carne forte, como bacon defumado. Eu faço nas duas versões. Depois que o refogado estiver pronto, com tudo dourado e cheirando bem, acrescente as fatias de banana, deixe dourar e junte a farinha (de mandioca, de milho, de farelo de pão, enfim, a que você tiver à mão). Cozinhe bem até dourar, corrija os temperos e sirva em seguida, enquanto ainda está bem crocante. Aqui eu deixei a receita da minha farofa de banana infalível.

Usos da banana verde

Se você comprou bananas muito verdes e elas estão demorando a amadurecer, sem problemas: use-as assim mesmo. Em outros países, é muito comum a utilização dessa fruta verde na alimentação do dia a dia. Por aqui, como as nossas frutas amadurecem rápido, a tendência é a gente optar mais pelas maduras, mesmo.

Com a banana verde, você pode fazer a famosa biomassa, rica em carboidratos e ótima para a saúde intestinal. Basta lavar bem as bananas e cozinha-las com casca em uma panela de pressão, com um pouco de água, por cerca de 8 minutos. Depois do cozimento, deixe a pressão sair naturalmente, retire as bananas da água e bata-as, ainda quentes, no liquidificador (com muito cuidado para não espirrar em você e nem quebrar o copo do aparelho – eu sempre deixo uma frestinha ou um vão na tampa para sair o vapor). Na hora de bater, junte um pouco de água apenas para ficar mais fácil e dissolver a pasta grudenta que irá se formar. Deixe esfriar, guarde em recipientes bem fechados e mantenha na geladeira por até 3 dias. Use essa biomassa para enriquecer todo tipo de prato que fizer, principalmente aqueles que levam molhos e caldos. Ela é muito neutra e não interfere no sabor final do prato.

Outra opção é usar a banana verde para fazer chips ou mesmo adicioná-la em pedaços grandes em ensopados e cozidos, principalmente aqueles à base de pescados (mas não só: faço com frango e com carne de boi também e fica maravilhoso). Para os chips, corte as bananas em rodelas ou em fatias e frite-as em óleo bem quente até dourar. Escorra-as em papel-absorvente e sirva em seguida, bem crocantes e sequinhas (lembre-se de usar uma gordura boa para fritar). É um lanchinho da tarde delicioso e saudável.

Se você quiser saber mais sobre essa fruta, vale espiar também o site Banana Blog, que traz bastante informação sobre as variedades e usos.

E você, é do time que ama banana ou odeia? Costuma fazer receitas salgadas com ela? Me conta! Estou no Facebook e também no Instagram.

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.