PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Carnaval é tempo de churrasco! Inove com chimichurri no lugar no vinagrete

Luciana Mastrorosa

22/02/2020 04h00

Crédito: iStock

Quatro dias de Carnaval e, pelo menos uma vez, você há de fazer churrasco. Certo? Se já está preparando o tradicional vinagrete, considere apostar num molho que é muito típico dos nossos países hermanos, como Uruguai e Argentina: o chimichurri.

Embora a gente encontre, hoje em dia, várias misturas de ervas e especiarias secas com esse nome, a tradição entre os latinos é servir o chimichurri elaborado com ingredientes frescos. E cada família tem sua receita.

Mas alguns itens nunca podem faltar, como salsa e alho, que formam a base do molho. Além desses itens, entram ainda outros temperos, como cebola, orégano, páprica, pimenta, louro, mostarda, mais vinagre e óleo vegetal para dar a liga. O importante, sempre, é manter um equilíbrio entre os ingredientes. 

Conversei com os proprietários do Chimichurri do Norba, que se dedica a tornar mais popular essa receita no Brasil. Norberto Goliger Slepian, o Norba, é uruguaio e aprendeu a fazer o chimichurri com seu pai. Chegando ao Brasil, trouxe a tradição com ele. "Inicialmente, meu pai fazia o molho só para a família, em pote de sorvete mesmo. Depois, os amigos começaram a gostar, todo mundo começou a pedir e acabamos transformando a receita num negócio", conta Daniel Goliger, filho de Norberto, que hoje cuida da marca junto com a família, mantendo a receita original do pai.

O diferencial do chimichurri do Norba é que não leva nenhum conservante, apenas ingredientes naturais. Além da versão tradicional, a família desenvolveu ainda o molho nas versões jalapeño, para quem aprecia sabores picantes; o de Dijon, com a mostarda francesa; e com hortelã, que combina particularmente bem com carnes de cordeiro, com uma pegada mais refrescante. 

Chimichurri: formas de servir

Conversando com Daniel e Norba, descobri que o chimichurri é onipresente nas mesas uruguaias e não pode faltar como acompanhamento do churrasco. "O molho pode ser servido de duas formas: entrando na marinada de carnes, frango e vegetais, ou, servido sobre as carnes já prontas", ensina Daniel.

E cai bem na finalização de praticamente tudo: grelhados, frango assado, legumes, queijo provolone, peixes e camarões, etc. Fica uma delícia na composição de canapés e é ótimo para aquele petisco rápido em casa, com fatias de pão crocante e legumes crus em palitos, como pepino, cenoura, salsão e erva-doce.

No Uruguai e na Argentina, entra como tempero básico do sanduíche choripán, com pão, linguiça e uma dose generosa de chimichurri bem fresco. "O interessante do chimichurri é que, no Uruguai, ele é encontrado no churrasco mais básico até nos restaurantes mais sofisticados. Todo lugar tem o seu", diz Daniel.

Hoje, é possível comprar chimichurris prontos, como o do Norba, em boutiques de carne, hortifrútis e empórios, em todo o Brasil. Depois de aberto, como não tem conservantes artificiais, é ideal consumir em até uma semana, mantendo sempre em geladeira.

Mas, se a ideia é fazer em casa, comece por uma mistura equilibrada de salsinha picada, alho picado miudinho, um pouco de cebola em cubinhos (prefiro a roxa, mas vai de sua preferência), uma quantidade boa de orégano, pimenta dedo-de-moça picada, vinagre de boa qualidade, azeite de oliva, sal e, se gostar, uma pitada de pimenta-do-reino.

É bom para a saúde? Sim!

Quando se consomem carnes grelhadas, como churrasco, é sempre bom equilibrar o prato com bastantes verduras e legumes. Além de harmonizar com o sabor forte das carnes, esses ingredientes, na forma de molhos e saladas, são fontes de vitaminas, minerais e fibras, que ajudam na digestão e melhor absorção dos nutrientes. E também têm compostos bioativos, como os antioxidantes, que combatem a inflamação e previnem doenças.

A salsa, base do chimichurri, é uma erva incrível para usar nos pratos sempre que possível. Rica em fibras, é uma fonte de luteína, que ajuda a proteger a visão. Também é rica em cálcio, mineral que participa de diversas reações metabólicas e protege os ossos e dentes, combatendo a osteoporose.

Além disso, o alho, assim como a cebola, são alimentos repletos de compostos que ajudam a manter a imunidade alta, ajudando a combater e prevenir gripes e resfriados e, ainda, atuando no controle da glicemia. Se a cebola for roxa, ela oferece antocianinas, que agem como potentes antioxidantes, protegendo a saúde do coração e ajudando a evitar doenças degenerativas, como o Alzheimer. E o orégano, parte integrante do chimichurri, tem ação antimicrobiana e também fornece antioxidantes. Ou seja, é uma combinação perfeita para consumir com carnes, principalmente as grelhadas e defumadas, como o churrasco.

Para complementar a receita, use um bom óleo vegetal – o de oliva é o que mais protege o coração, com uma boa quantidade de ácidos graxos mono-insaturados. E, se puder, use vinagre artesanal, que contribui não apenas com uma acidez agradável, mas também com probióticos, que auxiliam no bom funcionamento dos intestinos e na saúde da microbiota intestinal.

Você gosta de chimichurri? Já fez esse molho em casa? Conte para mim! Estou no Instagram, me adicione por lá.

Sobre a Autora

Luciana Mastrorosa é apaixonada por escrever, cozinhar e comer. Jornalista especializada em gastronomia e pesquisadora da área de alimentação, passou pelos principais veículos do país. Formada no Le Cordon Bleu Paris e Université de Reims Champagne-Ardenne, atualmente cursa o Mestrado em Nutrição Humana Aplicada, na Universidade de São Paulo. É autora do livro Pingado e Pão na Chapa - Histórias e Receitas de Café da Manhã (editora Memória Visual) e do e-book "Natal Feliz - 30 Receitas Incríveis para a Sua Ceia".

Sobre o Blog

Menu do Dia é o blog de culinária, receitas, gastronomia e nutrição, da jornalista e pesquisadora Luciana Mastrorosa. Aqui, você vai encontrar notícias, reflexões, receitas, degustações e muito mais sobre uma das melhores coisas da vida: comer.

Blog Menu do Dia